Telefone (11) 3875-1424 | contato@masternursing.com.br

Como cuidar de Idoso com Confusão Mental

idoso

Confusão mental em idosos é mais frequente do que imaginamos, por isso há uma série de cuidados que devemos ter para lidar da melhor forma com essa situação.

 

Também chamada de Delirium, a confusão mental é um dos primeiros transtorno neurológicos conhecidos pelo ser humano. Foi descrita por Hipócrates em 435 a.C. Esse transtorno acontece devido ao comprometimento cerebral e suas funções básicas, ou seja, a pessoa não tem capacidade de raciocinar com clareza, perde o senso de orientação e a atenção.

 

Busque ajuda

 

Alguns sintomas demonstrados por um idoso, indicam se ele precisa de ajuda médica em relação ao delirium. Os sinais mais comuns são:

 

  • Forte dor de cabeça e tontura;
  • Não saber qual o dia da semana ou do mês, parecer frequentemente ‘‘perdido’’ no tempo;
  • Esquecer rotas que sempre faz, como o endereço de casa;
  • Mudar repentinamente de humor, tornando-se agressivo com todos;
  • Não conseguir dialogar, esquecendo sempre o que ia dizer e o que acabou de ouvir.
  • Ter comportamentos inadequados em público, como falar palavrões, gritar ou perder o senso de higiene.

 

Causas

 

As causas são as mais diversas possíveis. Diferente do que a maioria das pessoas pensam, a confusão mental no idoso também pode ser causada por fatores que não tem a ver com doenças como Mal de Alzheimer ou Parkinson. Os motivos mais comuns são diabetes fora do controle, infecção urinária e desidratação.

 

Esse último caso é o mais perigoso, pois se ninguém lembrar o idoso que ele deve tomar água regularmente, dificilmente ele fará isso sozinho. Na 3ª idade, a quantidade de água em nosso corpo diminui, ou seja, idosos têm uma reserva de líquidos menor e por isso a hidratação é ainda mais importante nessa fase da vida. Uma desidratação pode causar confusão mental repentina, brusca queda de pressão arterial, dor no peito e, em alguns casos, até a morte.

 

Tratamento e medicação

 

O rápido diagnóstico da doença e a adoção do tratamento adequado pode fazer toda a diferença no quadro clínico de um idoso com confusão mental. Por ter diversas causas, os métodos terapêuticos também são inúmeros. Os medicamentos mais usados são Haldol e Haloperidol. Esses remédios devem ser prescritos por profissionais da saúde e em hipótese alguma pode ocorrer automedicação.

 

A família tem fator decisivo no tratamento. Ela é responsável por não permitir que o idoso sofra isolamento social. Caso a doença já tenha sido diagnosticada, o familiar deve se atentar na chance de piora no quadro clínico, porque os delírios uma vez que não tratados, oferecem risco ao paciente e todos a seu redor.

 

Os cuidados paliativos retardam o avanço da doença, tenha calma e não contrarie o idoso nos momentos de crise. Evite discussões e lembre-se que a outra pessoa está com um problema e necessita da sua ajuda.

 

Caso você tenha dificuldades para tratar de alguém com confusão mental sozinho, busque ajuda. Os melhores profissionais você encontra na Master Nursing.