Telefone (11) 3875-1424 | contato@masternursing.com.br

Cuidados Paliativos: Saiba o que é e como obter o tratamento

A Organização Mundial de Saúde (OMS) tem uma definição para os chamados cuidados paliativos.

Esses cuidados constituem um conjunto de ações desenvolvidos com foco na pessoa que passa por uma doença grave ou incurável, com o objetivo de promover o alívio do sofrimento, melhorar o bem-estar e qualidade de vida do paciente.

Nesse artigo você irá saber tudo sobre cuidados paliativos, seus benefícios e como obter o tratamento através de uma empresa especializada.

O que são Cuidados Paliativos?

Os cuidados paliativos são distribuídos em várias categorias, dentre elas destacamos:

Cuidados físicos: têm como objetivo a identificação e o tratamento de sintomas físicos que causem dor ou incômodos ao paciente. Por exemplo: falta de ar, insônia, dores musculares, vômitos e etc.

Cuidados psicológicos: são aqueles que visam a parte mental e emocional do paciente, a qual está bastante sensível, trabalhando para que ele seja o menos afetado possível.

Cuidados sociais: dizem respeito a observar, ajudar e até mediar conflitos que possam prejudicar o paciente. Dessa forma, esse tipo de cuidado o auxilia a se manter ativo e a construir laços mais sólidos com os familiares e amigos.

É importante ressaltar que os cuidados paliativos não são realizados apenas por um profissional de saúde. Há toda uma equipe por trás que atua de acordo com o perfil e a necessidade de cada paciente.

Além disso, é fundamental que se compreenda que esse tipo de cuidado não tem como finalidade a cura do paciente, mas sim o gerenciamento dos sintomas, suporte e conforto. No entanto, esse cenário pode se alterar em algumas situações como veremos mais adiante.

Quem precisa dos cuidados paliativos?

Os cuidados paliativos podem ser considerados um recurso desenvolvido com foco nas pessoas que tenham alguma doença que coloque em risco sua vida. Essa doença, além disso, também possui a tendência de apresentar pioras com o passar do tempo.

É por isso que esse modelo de cuidados é altamente recomendado para pessoas com doenças terminais: como não há possibilidade de cura, o objetivo é diminuir o peso do sofrimento nessa etapa final.

Por outro lado, não é correto afirmar que essa assistência é feita apenas quando “não há mais nada para fazer”. Independente do tempo de vida e do grau de complexidade da doença, e mesmo que nada mais possa ser feito em termos de cura, há formas de garantir uma melhor qualidade de vida para o paciente e sua família.

Veja a seguir algumas situações nas quais os cuidados paliativos são aplicados, seja para idosos, adultos ou crianças:

  • Pessoas com câncer;
  • Doenças degenerativas como a esclerose lateral amiotrófica, esclerose múltipla, Parkinson e Alzheimer;
  • Doenças degenerativas crônicas;
  • AIDS em estágio avançado;
  • Doenças que causam a falência dos órgãos como, por exemplo, doenças renais crônicas, hepatopatas, pneumopatas, cardiopatas terminais. entre outras;
  • Doenças incuráveis, genéticas, traumatismos graves, coma irreversível, dentre outras situações que possam ser uma ameaça à vida da pessoa.

Sendo assim, os cuidados paliativos auxiliam a família do paciente em:

  • Lidar melhor com a situação de perder uma pessoa querida;
  • Preparar a autodeterminação no processo de morte e fim da vida;
  • Apoiar a relação e direcionar como devem ser os cuidados;
  • Lidar com medos, expectativas e esperanças;
  • Reorganizar a vida após a morte do ente querido;
  • Tornar mais fácil o contato social;
  • Trabalhar melhor o processo de luto;
  • Cuidar do emocional dos familiares diante de uma situação complexa e muito sensível.

É preciso considerar que enquanto a doença afeta o paciente de forma individual, as consequências originadas de sua ocorrência se estendem aos familiares e até mesmo às pessoas que vivem ou trabalham com paciente.

Daí vem a importância fundamental dos cuidados paliativos, pois o processo de doença não apenas desafia, mas pode até mudar os papéis dentro da família.

Claro, esses são apenas alguns exemplos, pois, como apontamos no início, tudo é feito respeitando as necessidades de cada paciente e sua família.

Por que o tratamento paliativo é importante?

A importância dos cuidados paliativos reside em dois pontos já abordados anteriormente, ou seja, na identificação de uma situação complexa de saúde e no suporte familiar.

Para entender melhor o peso desse modelo de assistência, temos que considerar que a progressão de uma doença irreversível desencadeia uma série de circunstâncias e decisões que precisam ser tomadas.

O que complica, nesse caso, é que o fim de uma vida e toda a ansiedade e estresse que ela causa pode impedir que as ações tomadas sejam feitas de forma a trazer o mínimo de sofrimento para o paciente e sua família.  É aí que os cuidados paliativos entram: promovendo o suporte e o bem-estar de todos.

As atuações envolvendo os cuidados paliativos são reabilitadoras e ativas, mas sempre realizadas dentro do limite. Isto é, de forma que nada que seja feito venha a provocar mais desconforto para o doente, além daquilo que ele já sofre com a doença.

É por isso que os cuidados paliativos sempre são conduzidos por uma equipe altamente capacitada e multiprofissional. Cada membro da equipe tem um papel específico, mas tudo é desenvolvido de forma integrada.

Assim, problemas e decisões envolvendo os cuidados são tratados e tomados em conjunto, de maneira que as ações de suporte ajudem o paciente a viver o mais ativamente possível até sua morte.

Como contratar um serviço de cuidados paliativos?

Mesmo considerando que qualquer profissional capacitado na área da saúde possa realizar cuidados paliativos, é importante se concentrar naqueles que são especializados nesse tipo de atendimento, pois isso pode representar um aumento da qualidade do serviço oferecido na modalidade.

O profissional de saúde especialista em cuidados paliativos é treinado para lidar com sintomas, efeitos colaterais, tratamento e até problemas de nível emocional do paciente. Esse ponto reforça ainda mais a importância de que a equipe seja multidisciplinar.

Antes de contratar um serviço de atendimento de cuidados paliativos há uma série de pontos que precisam ser considerados. Conheça os mais importantes:

Credenciamento: O serviço precisa ter licença e certificação de sociedades médicas e grupos nacionais do setor de saúde.

Transparência das informações: O serviço precisa passar ao cliente/paciente todos os detalhes das atividades que desenvolve (por escrito), tais como processo de pagamento, custos, procedimentos, descrição das atividades de cada profissional da equipe.

Referências: As referências servem para conhecer o serviço e ter certeza de que ele tem credibilidade. Vale pesquisar a opinião de quem já usou ou ainda usa a prestação de determinada empresa.

Desenvolvimento dos cuidados: Identificar e avaliar como o serviço de cuidados paliativos trabalha não somente com o paciente, mas também com sua família. Esse aspecto é fundamental, pois há várias empresas no mercado e cada uma delas com atendimentos distintos.

Programa: O serviço oferece um plano de cuidados específico e desenvolvido para cada paciente? O plano foi elaborado de forma cuidadosa por profissionais competentes e participantes do serviço em parceria com a família? Tudo é documentado?

Além de verificar os pontos acima, também se deve voltar a atenção para os nomes, contratos e históricos dos profissionais que estarão envolvidos nos cuidados do paciente.

Profissionais: Os profissionais contam com referências confiáveis na área? A empresa faz o monitoramento deles? O que pode ser feito em caso de dúvidas e reclamações? Tudo isso deve ser esclarecido da maneira mais simples possível.

Serviços: Quais os tipos de serviços oferecidos pela empresa de cuidados paliativos, os limites geográficos para o atendimento, categorias de serviços e áreas, equipamentos médicos, entre outros? Todos esses dados devem ser discriminados de forma clara.

Direitos e responsabilidades: Como paciente, quais são as responsabilidades e direitos? A empresa explicou tudo de forma clara? Se houver um termo com esses detalhes solicite uma cópia.

Custos: Como o serviço de atendimento paliativo lida com o processo de pagamento? O que fazer em casos de imprevistos? O que diz o contrato? Aliás, não se esqueça de que a assinatura do contrato deve ocorrer somente depois de sanadas todas as dúvidas!

Como obter o tratamento paliativo: Empresas prestadoras desse tipo de serviço

Com um entendimento mais amplo sobre a questão e a necessidade dos cuidados paliativos, empresas especializadas nessa modalidade de atendimento surgiram e cresceram no mercado. Esse é um fato que representa um ganho no panorama geral das possibilidades de serviços de saúde.

Ao observar os pontos acima e analisar bem o histórico da empresa, será possível ter mais segurança e agilidade na contratação e seleção dos serviços. Sabendo disso, é fundamental escolher uma prestadora de serviços home care séria e com ótima reputação no setor.

A Master Nursing é uma empresa referência nesse segmento e conta com uma equipe de enfermeiras altamente qualificadas e habilitadas para oferecer suporte, qualidade e bem-estar para pacientes de cuidados paliativos. Para conhecer mais, clique aqui e entre em contato!

Quando devem ser iniciados os cuidados paliativos?

O início dos cuidados paliativos depende do estado e das necessidades do paciente. Mas, de grosso modo, pode-se dizer que “o quanto antes, melhor”. Isso porque esses cuidados visam auxiliar com os sintomas de difícil controle e contribuir com as melhoras clínicas do paciente.

Conforme a doença vai avançando, mesmo ainda sendo aplicados tratamentos com intuito curativo, a abordagem adotada pelos cuidados paliativos já pode ser usada com o intuito de cuidar dos aspectos espirituais, sociais e psicológicos do paciente.

Em fase terminal, quando já se constatou um período de vida menos longo, o tratamento paliativo passa a ser considerado como algo prioritário, tendo em vista a intenção de garantir ao paciente o máximo de dignidade, conforto e qualidade de vida.

Importante: A transição entre os cuidados com o objetivo de cura e os cuidados paliativos é diferente de paciente para paciente. Por isso, é essencial que a empresa responsável por oferecer esse serviço seja altamente capacitada na área.

Perguntas e respostas sobre os cuidados paliativos

Até aqui, abordamos sobre os conceitos, a importância e como fazer a contratação de uma empresa especializada. Para tornar tudo mais claro, selecionamos algumas das dúvidas mais frequentes em cuidados paliativos. Acompanhe.

1. Cuidados paliativos são destinados apenas para pacientes terminais?

Não. Essa modalidade de tratamento evoluiu e se humanizou com o passar do tempo. Hoje, os cuidados paliativos envolvem as mais diversas doenças, das mais simples até as mais complexas. A proposta é aliviar o sofrimento causado ao paciente, não importando o nível de sua doença. Porém, ainda continua muito concentrado nesse tipo de paciente — terminais.

2. Quem solicita os cuidados paliativos?

A solicitação desse tipo de serviço pode ser feita pelo médico responsável pelo acompanhamento do paciente, pelos seus familiares e até mesmo pelo próprio paciente. Todo o processo de definição dos serviços e da equipe de atendimento é feito de forma que as preferências e valores do paciente possam ser atendidos.

3. Somente o paciente internado é que tem acesso a esse tipo de serviço?

No início desse modelo de atendimento, era assim. Porém, com o passar dos anos, os cuidados paliativos tornaram mais abrangentes e adaptados. Por exemplo, hoje há empresas que oferecem esse tipo de acompanhamento para pacientes que não precisam de internação, mas sim de cuidados específicos por um determinado espaço de tempo.

4. O atendimento paliativo é obrigatório em qualquer situação?

Não. Nenhum paciente é obrigado a se submeter aos serviços de atendimento paliativo, até porque existe o princípio bioético da autonomia do paciente que deve estar presente no processo de decisão, afirmativa ou negativa sobre o tratamento.

Entretanto, como foi apontado nos tópicos anteriores, a série de benefícios que envolvem os cuidados paliativos tornam esse tipo de atendimento algo com resultados extremamente positivos para todos os envolvidos. Sendo assim, um diálogo transparente entre o paciente, família e profissionais de saúde é o melhor caminho.

5. Qual a regularidade dos cuidados paliativos?

Não existe prazo pré-definido. Basicamente, os cuidados paliativos são realizados enquanto forem necessários. Mas, tudo depende do paciente e dos familiares, por isso cada caso é um caso.

6. Quando há os cuidados paliativos o tratamento médico tradicional continua?

Sim. Os cuidados paliativos têm como ponto de partida auxiliar os pacientes e familiares na superação da doença, levando alívio e conforto. Com mais bem-estar, disposição e qualidade de vida, o paciente até consegue responder melhor ao tratamento.

7. Quem coordena o tratamento?

O médico do paciente é o responsável pela coordenação dos cuidados paliativos. Toda a atuação da equipe é estruturada com base nas percepções e necessidades que ele verificou até o momento.

Os cuidados paliativos tornam a vida do paciente menos sofrida. Na realidade, é uma ação de humanização na saúde.

Todos os recursos usados e ações tomadas fazem com que ele se sinta mais integrado. Ou seja, é algo que vale muito a pena ser considerado seriamente em termos de qualidade de vida, para o doente e para sua família.

Esperamos que esse artigo sobre cuidados paliativos possa ajudá-lo a sanar as dúvidas sobre tema.

Caso tenha alguma dúvida entre em contato com a Master Nursing, uma empresa consolidada no setor que a mais de 25 anos trabalha com home care e cuidados paliativos.

 


Home Care