Telefone (11) 3875-1424 | contato@masternursing.com.br

Diagnóstico e tratamento do câncer de mama

O diagnóstico precoce do câncer de mama pode ser feito através do autoexame. Ele é feito através do toque, apalpando os seios de diferentes formas para detectar possíveis nódulos, sentir sua consistência e avaliar possíveis riscos. Ele é muito importante, pois pode ser realizado por qualquer pessoa, facilitando o diagnóstico em alguns casos.

Porém, é importante atentar para o fato de que o autoexame não permite com que se detectem nódulos muito pequenos e nos estágios mais iniciais da doença, que são também os mais curáveis. Por isso, não se podem descartar as formas tradicionais de diagnóstico.

É importante que a mulher com mais de 40 anos faça exames anuais e, que as com mais de 60 anos, realizem exames a cada 6 meses. Os exames consistem de mamografias, ultrassonografias, ressonâncias magnéticas e outros. Eles permitem a melhor visualização de nódulos e, no caso de suspeitas, o médico pode recomendar biópsia de tecidos para detectar de forma mais precisa o câncer em seus estágios mais primitivos.

autoexameImagem: Vivo Mais Saudável

 

TRATAMENTO

Em todos os casos do câncer de mama é necessário a retirada do tumor e dos tecidos afetados para que o câncer não se espalhe pelo organismo e ocorra a metástase das células. Porém, a cirurgia pode ser combinada com outras formas de tratamento, tais como:

 

  • radioterapia: consiste da aplicação de radiação ionizante na região dos tumores. É utilizada quando não ocorreu metástase das células e para casos que não é necessária ou possível a retirada de muitos tecidos das mamas. Dessa forma, evita o desenvolvimento posterior do tumor e diminui riscos da doença reaparecer. Tem duração de aproximadamente um mês.
  • quimioterapia: com remédios introduzidos de forma oral ou intravenosa, tem o objetivo de destruir células cancerosas controlar seu crescimento e inibí-lo. Pode ser realizado antes ou depois da cirurgia, e o período de tratamento varia conforme o paciente.
  • hormonioterapia: inibe os hormônios que fazem com que as células cancerosas cresçam. Esse tipo de tratamento é específico para aqueles pacientes que apresentem receptores desses hormônios nos exames. A duração varia conforme o paciente.
  • terapia alvo (anticorpos monoclonais): também chamada de terapia anti HER-2, consiste do tratamento através de drogas que bloqueiam proteínas específicas ou certos tipos de divisões celulares características das células cancerosas. É específico para pacientes que apresentam a proteína HER-2 ou qualquer outra específica do crescimento de células em grande quantidade nos tumores, inibindo-as com remédios.

 

O tipo do tratamento, sua duração e as possíveis combinações de tratamentos para a cura do câncer de mama dependem do estágio da doença, da extensão do tumor, da existência ou não de metástases, curabilidade da doença e tolerância a toxicidade do tratamento.

 

É importante cuidar-se sempre para que o diagnóstico seja precoce e seja possível aumentar as chances de cura. Para quaisquer percepções iniciais de sintomas, é importante entrar em contato com seu médico ginecologista ou clínico geral o quanto antes, para que se realizem exames e diagnósticos precisos.

Se você for mulher, lembre-se de realizar exames anuais a partir dos 40 anos e semestrais a partir dos 60 anos. Encoraje as mulheres da sua família a fazerem o mesmo e realizarem auto-exame. Avise os seus familiares sobre os riscos do câncer de mama e ofereça apoio no caso daqueles que são afetados por ele, já que não há nada mais importante do que ter alguém com quem se pode contar por perto nos momentos difíceis.


Home Care